fbpx

Análise do mercado :: semana 1 à 5 de Março

O Brasil, ‘o país do futuro’, vem intensificando a sua situação já bastante agravada em vários aspectos, como tenta ilustrar de forma humorada a capa desta análise semanal.

Conforme podemos consultar no website do próprio banco central, observamos uma aceleração da dívida pública brasileira neste período de pandemia, ampliando ainda mais a delicada situação fiscal do país. Trajetória esta que pode se deteriorar ainda mais com a já anunciada extensão do auxílio emergencial, caso esta não tenha uma contra partida (redução de gasto ou aumento de arrecadação).

Pensemos num cidadão normal. Se este se encontra numa situação desconfortável em termos de dívidas, os seus credores podem começar a ter dúvidas se este será capaz de futuramente honrar os seus compromissos / ’empréstimos’. Para tentar pagá-los conforme acordado, este cidadão precisará aumentar sua receita (arrecadação), trabalhando mais (2o emprego) ou de forma mais eficiente, e/ou, reduzir alguns custos, como deixar de comer carne todos os dias, se mudar para um lugar menor etc. Se eventualmente este precisar de mais outros ‘financiamentos’, dado a sua já frágil situação financeira, esses mesmos credores se concederem estas novas ‘solicitações’, irão requerer uma taxa de juros condizente com o risco de não pagamento destes (calote da dívida).

Resumidamente a dívida de um país se parece muito com a de um cidadão normal. Quando a sua dívida está muito alta em relação a sua geração de riqueza (PIB), principalmente se este não possuir um histórico muito ‘seguro’, as mesmas dúvidas começam a pairar no ar, como questões sobre a sua capacidade de pagamento, de suprir as necessidades básicas do seu orçamento (educação, saúde etc.) de forma sustentável. A deterioração dessa situação também irá requerer taxas de juros maiores junto aos credores (investidores) para emissões de novas (rolagem) dívidas (empréstimos).

A principal diferença entre um cidadão e um país, é que este último pode fabricar dinheiro novo para honrar os seus compromissos. O grande problema é que essa medida normalmente gera inflação (perda do poder de compra da moeda) dado a maior circulação de moeda na economia.

Dito isso, de forma bem resumida, sim, claro que o governo tinha que agir durante esse momento tão complicado para os cidadãos, empresas, no sentido de tentar criar ao menos uma condição de subsistência. Contudo fica a questão se estes gastos foram realizados de modo eficiente, principalmente quando observamos o gráfico abaixo publicado pelo fundo Verde.

As tentativas de minimizar os efeitos da pandemia, vieram tanto pelo aumento dos gastos públicos (expansão da dívida), como pela redução da taxa de juros básica do país, a SELIC (política monetária), na busca de incentivar o consumo / investimento.

Contudo, conforme mencionamos, quanto maior a dívida, maior teoricamente será a taxa de juros a ser paga. É verdade que esse movimento de redução da taxa básica de juros  se deu de forma global, onde quase todos os países acabaram atuando da mesma forma.

Mas a dose por aqui talvez tenha sido exagerada, uma vez que este atual nível de taxa de juros (jamais vista) atrelado à situação fiscal do país, formaram os ingredientes necessários para a disparada do dólar contra o real, saindo de praticamente 4,00 USD/BRL no início de 2020, para os 5,50 USD/BRL atuais.

E como boa parte dos produtos e serviços que consumimos estão atrelados ao dólar, sentimos no bolso um aumento significativo nos preços (principalmente dos alimentos). A inflação, infelizmente, é uma das maneiras mais graves de empobrecimento de uma população.

E mesmo com tantos estímulos fiscais e monetários, nos encontramos nos maiores níveis de desemprego observados desde 2012, e com a atividade econômica muito próximo do patamar alcançado em 2016, período este marcado por uma severa recessão econômica.

Sob a nossa particular perspectiva, a situação é grave, de difícil solução, e de prazo demorado, isso se todos os poderes trabalharem em harmonia, e de forma colaborativa – quase como num filme de ficção.

E sim, tudo ainda pode piorar, principalmente se a evolução dessa pandemia se intensificar, como infelizmente se apresenta a atual tendência.

Análises gráficas

As análises abaixo refletem apenas opiniões de cunho pessoal, e não ecoam de maneira alguma qualquer tipo de recomendação de investimento. Além disso, as mesmas são estritamente gráficas, e não consideram qualquer variável adicional, incluindo as citadas no início desse texto.

Ibovespa

Após alcançar o objetivo que traçamos nas análises anteriores, na casa dos 120mil pontos, o índice brasileiro sentiu o topo do canal de alta marcado em preto no gráfico abaixo, e vem corrigindo de forma acentuada – possibilidade essa que também resaltamos nas análises semanais anteriores.

Pela força de baixa produzida nesta última semana, o alvo na região dos 140mil pontos  –assumindo que o descanso / correção que o levou dos 105mil aos 93mil pontos foi apenas a confirmação de uma bandeira de alta, claramente configurada conforme gráfico abaixo – se tornou menos provável, por enquanto.

Desta forma, supondo a continuidade do movimento corretivo, identificamos suportes importantes, na retração de 50% de fibo da sua última perna de alta, na faixa dos 110mil pontos, assim como na linha inferior do canal mencionado, ao redor dos 105mil pontos.

Contratos de dólar

Os contratos futuros de dólar vêm trabalhando dentro de uma ampla congestão, conforme o retângulo destacado no gráfico abaixo.

A trajetória da moeda americana frente ao real poderá se definir de forma mais clara diante das questões domésticas resumidamente descritas no início deste texto.

O índice DXY reforça a tendência de enfraquecimento do dólar perante às outras moedas, e o rompimento para baixo da consolidação mais recente (marcada por duas linhas horizontas e paralelas em preto na parte inferior à esquerda do gráfico abaixo), sugerem que o dollar index poderá buscar as mínimas que não são alcançadas desde o início de 2018.

S&P 500

O principal índice americano atingiu nesta última semana o objetivo que já vínhamos mencionando desde o 4o trimestre do ano passado.  

“rompeu a consolidação marcada pelo retângulo em preto no gráfico a seguir, e vem produzindo novos topos históricos, no qual enxergamos um potencial de valorização para a faixa dos 3.900 / 4.000 pontos no médio prazo (pela projeção para cima da amplitude do retângulo mencionado – conforme setas em cinza no gráfico abaixo).”

Neste momento vem sentido a resistência relativa à projeção da amplitude do retângulo inferior para cima (topo do 2o retângulo), e pode acentuar a sua queda para a base do mesmo.

Commodities / Metais / Bitcoin

Também como vínhamos mencionando desde o ano passado, o preço do barril de petróleo mais do que alcançou o seu preço pré-pandemia.

“O preço do barril de petróleo WTI rompeu para cima uma consolidação entre os 34-42 USD/bbl que se arrastava desde o início de junho deste ano, caminhando para atingir o seu preço pré pandemia na faixa dos 54 USD/bbl.”

Conforme também mencionamos, havia uma boa probabilidade que o preço continuasse a subir, dado ao otimisto de recuperação econômica pelos mercados, e o corte de Capex (investimento) realizado pelas empresas do setor de óleo e gás, sugerindo um futuro possível de desequilíbrio entre oferta e demanda também para o petróleo.

No entanto, os preços podem chegar em breve num patamar de equilíbrio, com os principais produtores reduzindo os cortes de produção realizados durante o período econômico mais intenso da pandemia.

O preço do minério de ferro aós atingir sua máxima histórica, e fazer uma breve correção em cima de uma linha que liga dois importantes topos, reagiu de forma positiva nestas última semanas, e pode voltar a fazer novas máximas.

Como também vínhamos mencionando, o rompimento do canal de baixa marcado pelas duas linhas diagonais e paralelas em cinza, sugeriam graficamente que o cobre poderia alcançar patamares de preços bem interessantes (conforme setas em cinza situadas no canto direito do gráfico abaixo), como aconteceu nestas últimas semanas.

Contudo, chama a atenção do martelo invertido deixado nesta semana, podendo sugerir uma correção desta commodity nos próximos dias / semanas.

Ouro / Bitcoin

O metal tem uma importante LTB (linha de tendência de baixa – marcada em vermelho) que não consegue ser rompida, e fechou esta semana com mais uma barra de queda importante, sugerindo a continuidade deste movimento de baixa.

Depois de uma alta surpreendente, o bitcoin fechou esta semana com uma correção bem acentuada, mas deixando uma sombra inferior também relevante, demonstrando força dos compradores nesta região.

Agenda econômica

O calendário econômico desta semana será bem pesado, com a divulgação da atividade industrial de diversos países, índice de inflação, PIB, payroll, entre outros.

Se este conteúdo lhe foi útil de alguma forma, não esqueça de compartilhar nas listas de discussão que você participa.

Aproveitamos também para agradecer as 1.180 inscrições e convidá-los a assistirem os principais vídeos do nosso canal do Youtube:

 

Para receber outras informações diárias, curta nossa página no Facebook ou inscreva-se no nosso canal do Telegram, TwitterInstagram. Postamos diariamente algumas idéias, nessas redes sociais, e sua participação e feedback serão mais do que bem vindos. 

Produtos para investidores



Leia também…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

13 + six =